+A-A

Gestão Municipal

Lazer - O Biocidade colocou mais de 200 mil metros quadrados de áreas de lazer à disposição dos curitibanos.

O Biocidade criou dois novos parques desde 2008. O Parque Cambuí, com 100 mil m², mirante, ciclovia e circuito de caminhada de 1.700 metros. E o Parque Lago Azul, com 128.500 m², campo de futebol, canchas de vôlei e pracinha.

No Jardim Botânico, além do Jardim Demonstrativo de Plantas Nativas, o Biocidade instalou o Jardim das Sensações, que as pessoas visitam com os olhos vendados e, por meio das plantas, são estimuladas a exercitar o tato, o olfato e a audição.

Ao todo, entre parques, bosques, praças e jardinetes, o Biocidade colocou mais de 200 mil m² de áreas de lazer à disposição dos curitibanos.

Quem chega a Curitiba surpreende-se em encontrar uma metrópole que busca se desenvolver protegendo um de seus maiores patrimônios, os fragmentos da vegetação nativa encontrados nas áreas verdes.

Os Parques e Bosques guardam parte da memória e história da cidade. Os remanescentes da Floresta com Araucária lembram a origem do seu nome. No idioma dos indígenas, antigos habitantes da região em que hoje se encontra a cidade, a palavra Curitiba significa “muito pinhão”, referindo-se diretamente ao nome do fruto da araucária.

Espaços de conservação, convívio e lazer, essas áreas verdes passaram a fazer parte da cultura local. Elas permitem que cada cidadão se sinta conectado aos ciclos naturais, oferecendo um contraste com a paisagem artificial decorrente da urbanização do espaço ao longo do tempo. A par disso, resgatam a própria essência da formação das cidades

que é oferecer a oportunidade do encontro entre pessoas. Constituem também, em nível local, indicadores da sustentabilidade dos processos naturais que possibilitam a continuidade da vida em suas diversas manifestações.

Em 1970, enquanto a ONU afirmava que cada cidadão devia ter direito a uma quantidade mínima de 12 m² de área verde, Curitiba oferecia apenas meio metro quadrado por habitante. No entanto, de lá para cá, embora a população da cidade tenha crescido de 600 mil para mais de 1.800.000 habitantes, cada curitibano passou a dispor de 51,2 m² de área verde.

Esse resultado foi possível graças ao desenvolvimento de um plano integrado de saneamento básico, conservação ambiental e oferta de novos espaços para a população se encontrar, se divertir, praticar esportes, descansar.

A Prefeitura reservou grande quantidade de remanescentes florestais, desapropriando áreas situadas nos fundos de vale. Ao longo dos rios, criou lagoas para conter a força das águas nos períodos mais chuvosos: uma forma de evitar enchentes na cidade, com muita eficiência, a um custo cinquenta vezes menor que o de um sistema de canalização.

Dotadas de equipamentos de cultura, esporte e lazer, essas áreas passaram a impedir as ocupações irregulares, tornaram-se pontos de encontro muito valorizados pela população e viraram uma bela coleção de cartões postais, que Curitiba exibe cheia de orgulho. São mais de 30 Bosques e Parques, cada um com sua característica especial, que surpreende e encanta o visitante. Vários entre eles guardam belas formas de lembrar momentos importantes da história da cidade.

 

Conheça os parques

Jardim Botânico

O Jardim Botânico de Curitiba tem uma área total de 178.000 m² e funciona como um centro de pesquisas da flora do Paraná, além de oferecer uma alternativa de lazer para a população bem perto do centro da cidade. Sua principal atração é uma estufa de ferro e vidro, inspirada no Palácio de Cristal de Londres e emoldurada por um grande jardim francês, que abriga exemplares vegetais característicos de regiões tropicais. No mesmo espaço encontra-se instalado o Museu Botânico Municipal, em que cientistas e pesquisadores de todo o mundo encontram um dos maiores herbários do país, com o que há de mais representativo da flora paranaense e brasileira.

Fauna: saracura, ouriço, sanhaço, canário-da-terra, preá, gambá e pequenos roedores, sabiá. Flora: araucária, imbuia, cedro, aroeira, pimenteira e pitangueira. Equipamentos: estufa, galeria de exposições, Museu Botânico Municipal, bistrô , jardim francês, lago, fontes, pista de cooper, trilhas, sanitários públicos, loja, equipamentos de ginástica e estacionamento.

Parque Atuba

Com 173 mil m², o Parque Atuba foi implantado para preservar uma região de fundo de vale existente no extremo nordeste do município e também para induzir a ocupação ordenada da área, conservar as margens do Rio Atuba e todo o ecossistema da região e proporcionar à população mais um espaço de lazer e recreação. O Parque tem uma área destinada à implantação da “Vila da Madeira”, conjunto de casas que exibe elementos da arquitetura de madeira típica de Curitiba.

Flora: Araçá, Vacum, Açoita-cavalo, Angico, Aroeira, Branquilho, Canafístula, Capororoca, Cássia Mutijuja, Corticeira, Erva-mate, Figueira, Jatobá, Paineira, Pau marfim, Pau óleo, Pinheiro bravo, Quaresmeira, Timboril. Equipamentos: Lagos, pontes de madeira, pista de caminhada, cascata, ciclovia, Vila da Madeira, canchas de futebol e vôlei, casa da guarda, equipamentos de ginástica, churrasqueiras.

Parque Bacacheri

O local em que hoje se encontra o parque era conhecido como "Tanque do Bacacheri", um lago formado pelo Rio Bacacheri que funcionava como local de recreação e balneário. O proprietário da área alugava barcos a remo para quem quisesse passear no lago. A área foi declarada de utilidade pública e transformada em um Parque com 152.000 m², dos quais 22.000 m² são cobertos pela água do lago.

Fauna: frango-d’água, marreca-pé-vermelho, jaçanãs, saracuras, garças, socós. Flora:pinheiro do Paraná, canelas, aroeiras, açoita-cavalos, constitui-se de eucaliptos, pinus, ipês amarelos, acácia-mimosa, nêspera, uva-japão, corticeiras. Equipamentos:: cancha de futebol de areia, churrasqueiras, playground, canchas de volei, portal e lanchonete.

Parque Barigui

O Parque Barigui tem 1.400.000 m² de área e, em virtude de sua localização próxima ao centro da cidade e de sua infraestrutura diferenciada, é o parque mais frequentado de Curitiba. Em seus três bosques, constituídos por capão de floresta primária nativa e por florestas secundárias, diversos animais nativos ou migratórios procuram refúgio. Além disso, o parque é também a grande área de preservação natural da região central da cidade. Seus bosques ajudam a regular a qualidade do ar enquanto o seu imenso lago, com 230.000 m², ajuda a conter as enchentes do Rio Barigui. No Parque Barigui, a população encontra diversas opções de lazer e infinitas oportunidades de contemplar a natureza.

Fauna:garça-branca, quero-quero, tico-tico, sabiá, biguatinga, preá, capivara, cutia, sagüi e gambá. Flora: araucária, erva-mate, pitangueira, vassourão-branco, bromélia, orquídea, mirta, guabirotuba e guabiroba.Equipamentos: lago, pavilhão de exposições, parque de diversões, Museu do Automóvel, restaurante, Salão de Atos, sede da Secretaria Municipal do Meio Ambiente, Bistrô, academia de ginástica, pista de bicicross, canchas esportivas, pistas de Cooper, ciclovias, trilhas, sanitários públicos, pista de patinação, heliponto, churrasqueiras, lanchonetes, equipamentos de ginástica, portal, pontes, sede de grupo escoteiro e estacionamentos.

Parque Barreirinha

Um parque coberto por matas nativas e lagos, com peixes, patos, marrecos, gansos e pequenos animais vivendo livremente. Localiza-se na região norte da cidade, no bairro da Barreirinha, de colonização marcadamente polonesa, a apenas 9 quilômetros do centro. O Parque da Barreirinha tem uma área de 275.380 m², 3 lagos formados por águas de nascentes e um grande bosque com espécies nativas de Curitiba. Anexo a ele, ocupando uma área de 125.380 m², encontra-se o Horto Municipal da Barreirinha que, anualmente, pesquisa e produz 100 mil mudas de árvores, arbustos ornamentais e frutíferas silvestres de mais de 100 espécies.

Fauna:Garça-branca-gigante, socó, biguá, coleirinha, coruja, pica-pau, beija-flor, sabiá, siriri, pato, marreco, ganso, galinha-de-angola, preá, nutria e gambá. Flora: Araucária, aroeira, manjerona, canela, bracatinga, erva-mate e outras espécies nativas. Equipamentos: Estacionamento, churrasqueiras, play-ground, biblioteca.

Parque Linear Cajuru

Com 2.100 metros de extensão e uma área de 104 mil m², o Parque Linear Cajuru nasceu da recuperação do Rio Atuba, cuja mata ciliar foi recomposta com a plantação de espécies nativas. Cerca de 400 famílias que viviam às margens do rio, em situação de risco, foram transferidas para conjuntos habitacionais onde passaram a viver com segurança e dignidade. Ao longo dessa área, foi implantado o Parque que, além de melhorar a qualidade do meio ambiente, oferece uma grande estrutura de lazer para os moradores da região leste de Curitiba.

Flora: monjoleiro, canafístula, vacum, aroeira, manacá e outras espécies nativas. Equipamentos: anfiteatro, campo oficial de futebol com grama, vestiário, cancha polivalente, canchas esportivas, equipamentos de ginástica, 4 mil metros de ciclovia, pistas de esqueite e patinação, pista para caminhada, playground, mesas de jogos, ponte de madeira.

Parque das Pedreiras

Depois de permanecer por muito tempo como cicatrizes produzidas pelo homem no meio ambiente urbano, as pedreiras já esgotadas e uma usina de asfalto que não funcionava mais tiveram um belo destino. Transformadas pela Prefeitura, hoje compõem um complexo de áreas de cultura e lazer, com 103.500 m², denominado Parque das Pedreiras. Foi assim que nasceu o Espaço Cultural Paulo Leminski: imenso auditório ao ar livre, com capacidade para 30 mil pessoas, que homenageia um dos mais importantes poetas e escritores de Curitiba. Próximo a este Espaço, foi construído um teatro de forma circular, totalmente transparente, no meio da cratera de uma velha pedreira, rodeado por lagos, cascatas e uma vegetação abundante: a Ópera de Arame.Equipamentos: auditório ao ar livre, Ópera de Arame, lanchonete, loja, heliponto, estrutura de apoio para shows, administração e estacionamentos.

Parque dos Tropeiros

No Parque dos Tropeiros, é possível sentir o ambiente e o clima de aventura presentes na vida da cidade nos séculos XVIII e XIX, período dominado pelo movimento das tropas de mulas de carga entre o sul e o sudeste brasileiro. Situado no bairro Cidade Industrial, com área de 173.474 m², é um parque equipado para promover rodeios e acampamentos.

Fauna:Gambá, cuíca, morcego, cachorro do mato, sabiá vermelho, sabiá branco, sabiá coleira, bem-te-vi, quero-quero, gavião carijó, chupa-dente, pomba de asa branca. Flora: Carvalho brasileiro, araucária, branquilho, guaçatunga, aroeira, corticeira, guamirin, pinheiro bravo, gerivá. Equipamentos: Cancha de rodeios, churrascaria, museu integrado à administração, auditórios para apresentação de manifestações folclóricas, sala de danças, refeitório, cancha esportiva, área para acampamento livre, sanitários, bebedouros e estacionamento.

Parque Diadema

Vizinho ao Parque dos Tropeiros, o Parque Diadema tem 112.000 m² de área. Aproveita e protege o fundo de vale de um córrego e foi entregue à população juntamente com o Parque Caiuá, formando um importante complexo de proteção ambiental.

Fauna: gambá, raposa, cuíca, morcego, cachorro-do-mato, sabiá-vermelho, sabiá- branco, sabiá-coleira, bem-te-vi, quero-quero, gavião-carijó, chupa-dente, pomba-de-asa-branca. Flora:carvalho-brasileiro, araucária, branquilho, guaçatunga, aroeira, corticeira, guamirim, pinheiro-bravo, gerivá. Equipamentos: canchas de futebol de areia, canchas de vôlei de areia e playground.

Parque Iguaçu

O Parque Iguaçu foi implantado na região sudeste de Curitiba, para preservar os fundos de vale do Rio Iguaçu, o mais importante do Paraná. Tem 14 km de extensão, uma largura média de 571m e uma área de aproximadamente 569.000 m². Além de oferecer espaço para diversos tipos de esporte, o Parque abriga o Zoológico, vários bosques que preservam a vegetação típica das várzeas, capões de pinheiros e mata nativa, e uma grande reserva biológica. O Zoológico Municipal, com 530.000 m², foi criado para acolher grandes animais, propiciar condições de reprodução para os animais nativos e servir de porto seguro para as aves migratórias. Ali convivem mais de 2.800 animais de 80 espécies. O Zoológico funciona também como espaço de educação ambiental, equipado para realizar atividades recreativas e ecológicas com grupos de crianças. O setor esportivo é dotado de equipamentos para a prática de futebol, vôlei e beisebol. E o setor náutico, com área aproximada de 2.300.000 m², atende aos praticantes de remo, vela e canoagem.

Fauna: garça, jaçanã, maçarico, vanelo, turdo, saracura, marreca do banhado, pato selvagem, gavião, rola, tico-tico, pararú, cotia, nútria, capivara, preá, lagarto, cágado da água, cobras de pequeno e médio porte, roedores de pequeno porte. Flora: floresta nativa, com variadas espécies: branquinho, vacum, aroeira, casearia, juvevê, timbó, araucária, pinheiro brabo, carne de vaca, covatã, pimenteira, corticeira do banhado, pitangueira, guabirobeira, cambuí, cambará, cedro rosa, canjerana, bracatinga, ipê amarelo e roxo e árvores frutíferas. Equipamentos: zoológico, estacionamentos para carros e ônibus, quiosques, bar e lanchonete, ancoradouros, choupana, bicicletário, canal de circulação de barcos, ciclovia, trilha para acantonamento, casa de educação ambiental, canchas esportivas.

Parque das Nascentes

O Parque das Nascentes abriga o nascedouro do Belém, rio que começa e termina dentro dos limites do município, cortando a cidade de um extremo ao outro. A implantação do parque teve como objetivo a proteção ambiental da sua nascente. No local, encontra-se instalado o Centro de Referência das Águas, espaço próprio e equipado para atividades de Educação Ambiental, referência para o desenvolvimento do Programa Olho D'água que monitora a qualidade da água dos rios curitibanos.

Fauna: coruja, pica-pau, beija-flor, sabiá, preá, nútria, gambá, garça-branca, siriri. Flora: araucária, ipê amarelo, pitangueira, aroeira, araçazeiro, pinheiro-bravo, canela, araticum, açoita-cavalo, cedro-rosa, pata-de-vaca, vacum, tarumã, branquilho, bracatinga. Equipamentos: marco, unidade de Educação Ambiental, sede de manutenção, sanitários, mirante, ponte, fonte, lago, estar/pergolado, caminhos, posto da Guarda Municipal.

Parque Passaúna

Criado para preservar a qualidade da água da represa do Rio Passaúna, destinada a fornecer parte da água que abastece Curitiba, o Parque Passaúna ocupa 6.500.000 m², área que pode ser observada de um mirante que se eleva a 72 metros acima do nível do lago e oferece vista privilegiada para a exuberante mata nativa ali conservada.

Fauna: lontra, capivara, paca, tatu, biguá, garça, mergulhão, jaçanã, cágado, gavião e graxaim. Flora: branquilho, guamirim, guaçatunga, aroeira, pinheiro-bravo, corticeira, açoita-cavalo, tarumã, cafezeiro-do-mato, imbuia, araucária, cedro, guabiroba. Equipamentos: mirante, lago, trilha ecológica, churrasqueiras, portal, pontes e estacionamentos.

Parque São Lourenço

Cultura, criação e natureza encontram-se em torno do lago do Parque São Lourenço, formado pelo Rio Belém. O projeto atendeu à regulagem das águas do Rio Belém e aproveitamento da área ao redor, com reciclagem de uso de uma antiga fábrica de cola que passou a abrigar o Centro de Criatividade de Curitiba. O Parque apresenta remanescentes de floresta com araucária e o seu lago é circundado por ciclovia que se estende desde o Parque da Barreirinha, ao norte, até o Bosque João Paulo II, no centro da cidade.

Fauna:Preá, roedores silvestres, gambá, morcego, sabiá, socó, biguá, saracura quero-quero, coleirinha, pintassilgos tico-tico, galinha-de-angola, pica-pau, coruja e gavião. Flora: Capão de floresta nativa com aroeira, araçá, alfeneiro, extremosa, pinheiro-bravo, canela, pau-de-bugre, pitangueira. Equipamentos: Playground, pista de rolimã, pista de cooper, churrasqueiras, Centro de Criatividade, sede administrativa, teatro, Casa Erbo Stenzel, sanitários, canchas de futebol e vôlei, ponte, ciclovia, lago, estacionamento, posto policial.

Parque Tanguá

Situado junto ao rio Barigui, entre os municípios de Curitiba e Almirante Tamandaré, este parque preserva a natureza num local destinado inicialmente a abrigar uma usina de reciclagem de caliça e lixo industrial. Dentro do parque, encontra-se o Jardim Poty Lazzarotto que eterniza a memória do curitibano Napoleon Potyguara Lazzarotto, um dos artistas plásticos mais expressivos da história da arte brasileira.

Fauna: Pato silvestre, morcego, gambá, tatu, cisqueiro, pavó, quero-quero, frango-d’água, jaçanã, marreca ananaí, socó-dorminhoco, joão-de-barro, sabiá-laranjeira, bem-te-vi, parelheira, cobra-d’água, boipeva, jararaca, teiú, cágado-cabeça-de-cobra. Flora: Branquilho, veludo, maria-mole, cambuí-do-brejo, embira-branca, baga-de-pombo, tarumã, aroeira, congonha, corticeira-do-brejo, bromélia, cambuí-manchado, miguel-pintado, mamica-de-porca, araucária, canela, pessegueiro-bravo, bugreiro, carvalho, cafezeiro-bravo, erva-mate, imbuia, sassafrás, camboatá, pinheiro-bravo, caúna, guaçatunga, bracatinga. Equipamentos: estacionamentos, lagos, ancoradouro, lanchonete, pista de Cooper, ciclovia, cascata, caramanchão, ponte, mirante, belvedere, bistrô, sanitários, loja, torres para observação, jardim com canteiros e espelhos d’água.

Parque Tingui

O nome do parque é uma homenagem ao povo indígena que primeiro habitou a região de Curitiba. Os tinguis eram índios combativos, hábeis na execução de armas e utensílios de pedra. Numa das entradas do parque, vê-se uma estátua do líder da tribo Tingui à época da chegada dos primeiros portugueses a Curitiba, o cacique Tindiquera, esculpida em bronze e em tamanho natural. Obra de saneamento e preservação ambiental, o Parque Tingui alterna em sua pista de caminhada paisagens de lagos, pontes e mata nativa, percorridos ao lado do Rio Barigui. Abriga também o Memorial Ucraniano, réplica de uma igreja ucraniana, onde são realizados eventos culturais e exposições.

Fauna: Pato silvestre, morcego, gambá, tatu, cisqueiro, pavó, quero-quero, frango-d’água, jaçanã, marreca ananaí, socó-dorminhoco, joão-de-barro, sabiá-laranjeira, bem-te-vi, parelheira, cobra-d’água, boipeva, jararaca, teiú, cágado-cabeça-de-cobra. Flora: Branquilho, veludo, maria-mole, cambuí-do-brejo, embira-branca, baga-de-pombo, tarumã, aroeira, congonha, corticeira-do-brejo, bromélia, cambuí-manchado, miguel-pintado, mamica-de-porca, araucária, canela, pessegueiro-bravo, bugreiro, carvalho, cafezeiro-bravo, erva-mate, imbuia, sassafrás, camboatá, pinheiro-bravo, caúna, guaçatunga, bracatinga. Equipamentos: Ciclovia, pista de cooper, pontes de madeira, iluminação, portais, churrasqueiras, canchas de futebol e vôlei, playground, sanitários, administração, estacionamento, casa da guarda municipal.

Passeio Público

É o mais antigo parque municipal de Curitiba, inaugurado em 1886. Nasceu da drenagem de um terreno pantanoso e tornou-se o mais tradicional ponto de encontro dos curitibanos. Primeiro zoológico da cidade, atualmente o Passeio Público abriga pequenos animais e é o parque mais central da cidade. Entre as atrações, destacam-se o Terrário que, numa área de 156 m², abriga 40 animais, entre serpentes e lagartos de espécies exóticas e raras, e o Aquário com 30 variedades de peixes de rios e ornamentais da região amazônica e da África.

Fauna: Sabiá, tico-tico e canário-da-terra, coleirinha, chupim, pica-pau, sanhaço, pombo, joão-de-barro e garça branca. Flora: Árvores nativas e exóticas como o carvalho, o cipreste, a paineira, o jacarandá, o plátano, o ipê-amarelo, a canela e o eucalipto.Equipamentos: Restaurante, playground, aquário, terrário, sanitários, rinque de patinação, ponte pênsil, casa da guarda, pedalinhos, pista para caminhadas, ciclovia, bicicletário.

Bosque João Paulo II

O Bosque João Paulo II foi inaugurado em 1980, para celebrar a passagem do Papa por Curitiba. Nesse bosque, localizado às margens do Rio Belém, encontram-se 7 casas construídas no início da colonização polonesa em Curitiba, por volta de 1878. As casas, feitas de troncos de pinheiro encaixados, mostram aspectos interessantes da história e da cultura dos imigrantes. A primeira casa, que foi visitada pelo Papa, abriga uma capela em homenagem à Virgem Negra de Czestchowa, padroeira da Polônia. As demais contêm móveis e utensílios da época da primeira imigração. O projeto, criado pelo paisagista Burle Marx, priorizou a preservação da mata nativa e o plantio de novas mudas de pinheiros (Araucária angustifolia).

Flora: araucária, cedros, pitangueiras, carvalhos, cerejeiras, ipês, tarumãs, uvas do japão Fauna: Os pássaros se fazem presentes através de sabiás, bem-te-vis, coleirinhas, chupins, tico-ticos, canários-da-terra, sanhaços e pica-paus. Equipamentos: Portal polonês, ciclovia, palco, sanitários, playground, loja de artesanato, casas típicas, sede de escoteiros.

Bosque Zaninelli

Criado no local em que havia uma pedreira desativada, o Bosque Zaninelli tem 37.000 m², abrangendo densa mata nativa, habitat de várias espécies de aves, e um lago com 8 metros de profundidade povoado de carpas.

Encravada neste bosque, a Universidade Livre do Meio Ambiente (UNILIVRE) foi inaugurada em 1992 com a presença do pesquisador francês Jacques Ives Cousteau e está instalada em uma edificação de 874m², feita com troncos de eucalipto e vidro. A UNILIVRE tem como objetivo repassar conhecimentos sobre o meio ambiente à população em geral, por meio de cursos regulares e eventuais. É um local onde as pessoas podem debater livremente a questão da ecologia e meio ambiente e, ao mesmo tempo, aprender sobre novos temas e práticas que visem a aprimorar a qualidade de vida dos centros urbanos.

Fauna: preá, coruja, gambá, cobra d´água, marreco, cisne, sabiá, coleirinha, joão-de-barro. Flora: cafezeiro-do-mato, canela, pitangueiras e remanescentes de floresta com araucária. Equipamentos:: estacionamento, portal, guarita, passarela, bosque, lago, auditório ao ar livre, mirante, universidade / sede administrativa e sanitários.

Video

Visualize os parques no mapa